segunda-feira, 29 de outubro de 2012

AGENDA HISTÓRICA

Foto: Jorge Gontijo/Estado de Minas
O atacante Ronaldo Fenômeno mesmo titular e artilheiro do time
passou boa parte da temporada de 1993 recebendo salário de amador

Por Henrique Ribeiro

30/10/1927 - Cruzeiro e Vasco se enfrentam pela primeira vez. O amistoso disputado no estádio do Barro Preto terminou empatado em 1 a 1. O ponta esquerda vascaíno Álvaro marcou o primeiro gol da história do confronto aos 23 minutos. O gol do empate cruzeirense foi marcado por Ninão, em cobrança de pênalti, aos 19 minutos do segundo tempo.

31/10/1983 - morre em Belo Horizonte, aos 78 anos, o ex-presidente Miguel Perrella. Ele foi mandatário do Cruzeiro entre 1933 e 1936. Participou da reunião com os dirigentes do Siderúrgica, Atlético e Villa Nova, em maio de 1933, que definiu a adoção do regime profissional no futebol mineiro.

01/11/1996 - Sem chapa de oposição Zezé Perrella é reeleito presidente do Cruzeiro por aclamação. Ele foi o primeiro mandatário a dirigir o clube por um período de três anos, após a mudança dos estatutos.

02/11/1993 - o atacante Ronaldo recebe o seu primeiro aumento de salário no Cruzeiro. Apesar de ser titular há três meses ele ainda recebia Cr$ 10 mil mensais, que era um valor inferior ao salário mínimo que era Cr$ 12 mil.

03/11/1994 - o meia Donizete Amorim é convocado para a Seleção Brasileira Sub-20 para amistosos contra a China em 24 e 27 de novembro de 1994.

04/11/2009 - o lateral esquerdo Sorin se despede do futebol, aos 33 anos, num amistoso entre o Cruzeiro e Argentinos Juniors, no Mineirão. Foi a única vez que o clube organizou uma partida festiva de despedida de um jogador no Mineirão. O Cruzeiro venceu por 2 a 1 com gols de Bernardo e Guerrón e Santibañez descontou para o Argentinos. Sorin jogou o primeiro tempo pelo Cruzeiro e os 10 primeiros minutos do segundo tempo pelo Argentinos Juniors, que foi o clube que o revelou.

twitter: @henriqueribe
www.facebook.com.br/almanaquedocruzeiro.com.br

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

AGENDA HISTÓRICA

Tostão, Marco Antônio, Vavá, Neco, Piazza e Natal
carregam o treinador Airton Moreira no gramado do Mineirão
na comemoração do título do Campeonato Mineiro de 1965

Por Henrique Ribeiro

22/10/1999 - o Cruzeiro é goleado por 7 a 3 para o Palmeiras, no Palestra Itália, em São Paulo, no primeiro jogo das quartas de final da Copa Mercosul. Foi a maior goleada sofrida pelo Cruzeiro em competições internacionais.

23/10/1974 - o zagueiro Mizael e o atacante Silva sofrem um acidente de automóvel em Belo Horizonte. Com o impacto o zagueiro lesionou a coluna e a contusão abreviou sua passagem pelo Cruzeiro. Mizael revezava a posição na zaga com Darci e Moraes e chegou a formar a dupla titular com Perfumo em diversas partidas. Ele veio do América em agosto de 1972 trocado por uma dívida do alviverde com o time estrelado. Mizael fez 63 jogos e marcou um gol com a camisa cruzeirense entre 1972 e 1974.

24/10/1965 - o Cruzeiro vence o Atlético por 1 a 0, no Mineirão, com um gol marcado por Tostão, em jogo válido pela última rodada do turno do Campeonato Mineiro. Foi o primeiro clássico disputado no "Gigante da Pampulha", que havia sido inaugurado em 5 de setembro daquele ano, que ficou marcado por um dos maiores vexames protagonizados pelo alvinegro. A partida não chegou ao final, após o árbitro ter assinalado um pênalti do zagueiro atleticano Décio Teixeira sobre o atacante cruzeirense Wilson Almeida, aos 34 minutos do segundo tempo. O time do Atlético resolveu melar o final da partida e impediu a cobrança. Após ser agredido, o árbitro Juan de La Passion Artéz expulsou 9 jogadores do alvinegro e encerrou o jogo. Na saída de campo, Tostão lamentou o desfecho do jogo e ironizou: "que pena, ainda tinha tempo pra darmos uma goleada".

25/10/1955 - Wellington Armanelli anuncia a sua renúncia ao cargo de presidente do Cruzeiro.

26/10/1958 - numa assembléia na sede do Cruzeiro ficou decidido o rompimento de relações esportivas com o Atlético. A decisão foi motivada pela briga nos tribunais esportivos por causa da decisão do Campeonato da Cidade de 1956. A reunião também serviu para selar a paz entre as correntes políticas do clube e o retorno de vários conselheiros afastados como Natalino Triginelli, José Grecco, Felício Brandi e Furletti.

27/10/1986 - A diretoria cruzeirense contrata o meia Heriberto, que estava no Juventus-SP, por empréstimo até junho de 1987. Ele foi um dos grandes reforços do time na temporada.

28/10/1967 - o treinador Airton Moreira se licencia do cargo por causa de problemas cardíacos e é substituído pelo gerente de futebol Orlando Fantoni. Mesmo após o fim da licença, ele não mais retornaria a dirigir o time. Airton marcou história no comando do Cruzeiro. Sua primeira passagem foi em 1957, quando levou o Cruzeiro as finais do Campeonato de 1956, que teve o título divido como o Atlético. Em 1964 voltou a exercer a função de técnico do time cruzeirense e conquistou o Campeonato Brasileiro de 1966 e os Campeonatos Mineiros de 1965, 1966 e 1967. Ao todo comandou o time azul em 200 jogos (127 vitórias, 33 empates e 40 derrotas).

twitter: @henriqueribe
www.facebook.com.br/almanaquedocruzeiro.com.br

sábado, 20 de outubro de 2012

Há 45 anos os campeões brasileiros fizeram um amistoso festivo em Araraquara

O Cruzeiro enfrenta o Palmeiras, logo mais, pelo Campeonato Brasileiro, para enfrentar o Palmeiras, no estádio da Fonte Luminosa, em Araraquara. O verdão cumpre o primeiro dos quatro jogos da pena de perda do mando de campo que levou do STJD por causa dos incidentes no clássico contra o Corinthians. Isto acabou provocando o retorno do Cruzeiro a Araraquara, onde esteve pela única e última vez, há 45 anos, quando disputou um amistoso contra a Ferroviária, time da cidade, em 29 de janeiro de 1967, em troca de uma cota de 12 milhões de cruzeiros novos. Os moradores de Araraquara jamais esqueceram a visita do Cruzeiro que, na ocasião, era o atual campeão brasileiro. Um dos torcedores que assistiu a partida foi o mestre em ciências da comunicação, Reinaldo Polito, que recordou o jogo há cinco anos em seu blog. Segue o texto:
O professor Reinaldo Polito foi uma dos torcedores que compareceram
ao amistoso que o Cruzeiro disputou em Araraquara há 45 anos

Há 40 anos

Dia 29 de janeiro fez 40 anos que assisti a um dos jogos mais emocionantes da minha vida. O Cruzeiro estava faturando todas. A Academia Cruzeirense havia conquistado o campeonato brasileiro em 1966 com uma campanha excepcional: em 30 jogos conseguiu 25 vitórias, 4 empates e uma única derrota.

A Ferroviária dava uma enorme alegria a sua torcida, pois voltava à divisão especial depois de se sagrar campeã da segunda divisão também em 1966.

Para comemorar o título foi marcado um jogo entre Ferroviária e Cruzeiro na Fonte Luminosa. Os jogadores do Cruzeiro, as grandes estrelas do futebol do Brasil, hospedaram-se durante uma semana no Hotel Uirapuru. Eu, garotão, não perdi a oportunidade e compareci lá quase todos os dias para bater uma bola com Tostão, Evaldo & Companhia.

A partida foi realizada num domingo de tarde bastante ensolarada. O estádio estava lotado com 24.870 torcedores, e uma renda, em dinheiro da época, de CR$ 37.000,00. Era uma grana preta.

Começou o jogo e logo aos dez minutos do primeiro tempo Tostão deixou sua marca. Fiquei arrepiado e morrendo de medo, pois tudo indicava que seria uma carnificina, nossa faixa corria o risco de ser batizada com uma goleada. Demorou em vir o alívio - Pio empatou quase no finalzinho do primeiro tempo, um golaço aos 43 minutos. Fiquei rouco de tanto gritar gol.

No segundo tempo precisei me beliscar para acreditar no que estava vendo, Teia virou o jogo aos 24 minutos - incrível, dava para faturar aquele timaço. Entretanto, aos 39 minutos, quando parecia que os campeões brasileiros estavam no papo, a torcida ficou muda, mais uma vez Tostão voltava a marcar e deixar tudo igual no marcador, dois a dois.

Que jogo! Que emoção! Até hoje me lembro do Passarinho driblando meio time, deixando Neco, que estava na lateral esquerda, sentado, sem pai nem mãe.

Nesse dia o Comendador Humberto D’Abronzo foi especialmente de Piracicaba até Araraquara para entregar o troféu à equipe grená. Estavam comigo na arquibancada Marco Antonio Rodrigues (hoje comentarista esportivo no arena SporTV e Luiz A. Cabau). Que saudade!

Link do texto de Reinaldo Polito:
http://www.polito.com.br/portugues/artigo.php?id_nivel=12&id_nivel2=141&idTopico=660

Foto: Fernando Miguel (globo.com)
A estância Uirapuru em Araraquara, onde o Cruzeiro ficou hospedado em 1967,
revela a modéstia dos jogadores de futebol no período.


CRUZEIRO 2 x 2 FERROVIÁRIA (SP)
29/01/1967 - amistoso - Fonte Luminosa (Araraquara, SP)
Público: 24.870 (Ncr$ 37.680.000,)
Árbitro: Juan de La Passion/MG (Valdemar Agneli/SP e Bento Santos/SP)
Gols: Tostão 10’ (1-0), Pio 43’ (1-1), Teia (falta) 69’ (1-2), Tostão 84’ (2-2)
Cruzeiro: Raul; Pedro Paulo, Vavá (Cláudio), Procópio e Neco; Piazza e Dirceu Lopes (Zé Carlos); Natal (Wilson Almeida), Evaldo, Tostão e Hilton Oliveira. T: Airton Moreira
Ferroviária: Machado; Belluomini, Fernando, Rossi e Joãozinho; Bebeto e Bazzani; Passarinho, Maritaca (Djair), Teia e Pio (Pulga).
*Cruzeiro recebeu cota de Ncr$ 12 milhões. Amistoso de entrega de faixas de campeão paulista da 2ª divisão da Ferroviária


twitter: @henriqueribe
www.facebook.com.br/almanaquedocruzeiro

terça-feira, 9 de outubro de 2012

AGENDA HISTÓRICA


O atacante Joãozinho em lance com o goleiro Ortiz e o zagueiro Vantuir
no jogo que decidiu o título estadual de 1977. O atacante marcou o terceiro
gol da vitória por 3 a 1

08/10/1947 - Antônio Cunha Lobo é eleito presidente do Cruzeiro. O novo mandatário prometeu dirigir o clube sob a marca do impessoalismo, com o clube acima dos interesses particulares e das amizades pessoais.

09/10/1977 - o Cruzeiro derrota o Atlético por 3 a 1 e conquista o seu 10º campeonato mineiro da era Mineirão. Foi o primeiro título do clube vencido numa prorrogação. Durante o tempo normal as equipes empataram em 1 a 1, com gols de Reinaldo para o Atlético e Revetria para o Cruzeiro. Na prorrogação, o Cruzeiro marcou mais dois gols com Lívio e Joãozinho.

10/10/1962 - Com o placar de 1 a 1 termina o primeiro confronto entre Cruzeiro e Internacional. A partida disputada no estádio Independência foi válida pelas quartas de final do Campeonato Brasileiro. O Cruzeiro abriu o placar com o ponta direita Nerival, aos 71 minutos, e o Inter chegou ao empate com um gol do centro-avante Alfeu a dois minutos do fim.

11/10/1986 - o atacante Reinaldo não comparece ao treino na Toca da Raposa. Ele reapareceria cinco dias depois. Foi o primeiro de uma série de sumiços do jogador. Reinaldo chegou ao clube em 18 de agosto e assinou contrato até 31 de dezembro. Por estar fora de forma, o ex-ídolo do rival, só estreou no dia 27 de setembro, no empate sem gols, contra o Rio Branco-ES, no Mineirão, pelo Campeonato Brasileiro. Participou também do empate sem gols contra o Bahia, em 5 de outubro, também, no Mineirão, pelo Nacional. Ele voltaria a se ausentar dos treinos em 30 de outubro e 5 de novembro. Neste último teve o seu contrato suspenso dois dias depois.

12/10/1941 - o Cruzeiro vence o Siderúrgica por 3 a 2, no estádio da Praia do Ó, em Sabará, pelo Campeonato da Cidade, com um gol inusitado do atacante Niginho, que ficou conhecido como o "gol da campainha". Isto porque naquele estádio havia um relógio que disparava uma campainha nos últimos 30 segundos de jogo. Assim que soou o alarme, o atacante disparou com a bola dominada do meio de campo e driblou toda a defesa antes de marcar. No momento do chute a gol ele chocou-se com o goleiro Geraldão e se contundiu no lance. Já o goleiro só acordou às 8 horas da noite, no hospital da Santa Casa, quando soube que havia sofrido o gol.

13/10/1968 - o zagueiro Procópio leva um pontapé desleal de Pelé e saiu de campo com o joelho seriamente machucado. O lance acontece no Morumbi, na derrota do Cruzeiro para o Santos, por 2 a 0, pela primeira fase do Campeonato Brasileiro. Procópio atravessava uma grande fase e o seu nome era cogitado para a Seleção Brasileira. Por causa da contusão, o zagueiro chegou a encerrar a carreira e só retornaria cinco anos depois para defender a camisa cruzeirense por mais um ano.

14/10/1979 - o Cruzeiro derrota o Vitória por 4 a 2, no estádio da Fonte Nova, em Salvador, pela primeira fase do Campeonato Brasileiro. Anos depois descobriu-se que o resultado desta partida havia sido manipulado pela Máfia da Loteria. Segundo a Revista Placar, o jogo pertencia ao teste 464. O superintendente da Federação Baiana de Futebol, Manuel Francisco do Nascimento, o Manu, foi quem manipulou as derrotas do Vitória, do Grêmio e do Bahia para favorecer aos apostadores do esquema. No entanto, não foi revelado se foram subornados os atletas das equipes derrotadas ou a arbitragem que dirigiu as partidas.

twitter: @henriqueribe
www.facebook.com.br/almanaquedocruzeiro

domingo, 7 de outubro de 2012

O Drama de Alex Doidão

Foto: Humberto Nicoline/Hoje em Dia
O golpe parafuso da capoeira caracterizou as comemorações
dos gols de Alex Alves com a camisa cruzeirense

Alex Alves, ídolo do Cruzeiro no final dos anos 1990, luta contra a leucemia

Felipe Torres - Do Hoje em Dia

Por onde passou, imortalizou a ginga da capoeira nas comemorações dos gols. Mas, agora, foi a vida que lhe deu um golpe. Diagnosticado com leucemia, Alex Alves, ídolo da torcida do Cruzeiro no final dos anos 1990, passará por um transplante de medula neste domingo (7).

Aos 37 anos, o ex-jogador está internado no Hospital Amaral Carvalho, em Jaú, interior de São Paulo. Exames apontaram que um dos seus irmãos é doador potencial e a cirurgia já pode ser realizada. Alex Alves esperava há meses pelo procedimento, na fila de transplantes do Sistema Único de Saúde (SUS).

A assessoria de imprensa do hospital – um dos maiores e mais modernos centros de oncologia do Brasil – confirmou a sua internação de. Porém, ele não pretende falar sobre o assunto neste momento.

A expectativa é que Alex Alves fale durante o período de recuperação do câncer. Assim, a equipe médica responsável pelo tratamento fica impossibilitada de divulgar qualquer tipo de boletim.

Em situação financeira delicada, o baiano, por meio dos familiares, teria até pedido ajuda ao Cruzeiro. Procurado, o clube celeste preferiu não se pronunciar.

Wilson Piazza, presidente da Associação de Garantia ao Atleta Profissional de MG (Agap), se diz inteirado do estado de saúde de Alex Alves, mas negou que tenha acontecido um contato direto dos parentes: “Caso nos procurem, vamos prestar todo o apoio”.

Em 2008, no Fortaleza, Alex Alves desmentiu as informações de que havia sido internado com suspeita de leucemia, em Salvador. “Não sei de onde inventaram esse boato”, afirmou na época. Em outubro de 2010, teria voltado ao Hospital Geral do Estado da Bahia, quando detectou o câncer, data que coincidiu com sua última aparição no futebol, no União Rondonópolis, do Mato Grosso.

No Cruzeiro, Alex Alves foi um capoeirista recordista de gols

Por Henrique Ribeiro

O atacante Alex Alves foi um dos reforços contratados pelo Cruzeiro para a temporada de 1998. A diretoria cruzeirense junto com o parceiro Energil C pagou US$ 2,75 milhões pelos seus direitos econômicos do jogador, junto a Portuguesa e ainda cedeu o atacante Da Silva ao time paulista.

Em sua primeira temporada concorreu a vaga de titular com Marcelo Ramos, Muller e Fábio Júnior. Este último tornou-se a sensação da temporada ao marcar 18 gols no Campeonato Brasileiro tornando-se o recordista de gols do Cruzeiro numa mesma edição da competição nacional. Naquele ano o time estrelado quase conquistou quatro títulos na temporada. Após vencer o estadual, foi vice da Copa do Brasil, do Campeonato Brasileiro e da Copa Mercosul.

No ano seguinte com a venda de Fábio Júnior para a Roma, o Cruzeiro investiu nas contratações de Paulo Isidoro e Túlio. O primeiro não se firmou e o segundo desentendeu-se com o treinador Levir Culpi e deixou o clube. Com Marcelo Ramos atravessando uma má fase, Alex Alves ganhou a titularidade no Campeonato Brasileiro e marcou 22 gols batendo o recorde Fábio Junior.

O atacante se caracterizava pela velocidade e pela eficiência em marcar gols. Dificilmente desperdiçava as chances que tinha para marcar. Também marcou belos gols como o da vitória por 3 a 1 sobre a Portuguesa, pela semifinal, do Campeonato Brasileiro, no Mineirão, com um toque de letra. Na decisão do Torneio Seletivo da Libertadores, no Mineirão, marcou um golaço, contra o Atlético-PR, deixando o deixando o zagueiro e o goleiro sentados após uma sequência de dribles.

Em seus gols caracterizou as comemorações com um chute giratório da capoeira denominado parafuso e era ovacionado nas arquibancadas com o coro de "Alex doidão, terror do Mineirão". No final da temporada foi negociado ao Hertha Berlim, da Alemanha, por US$ 7 milhões.

Pelo Cruzeiro sagrou-se campeão da Recopa Sulamericana e do Campeonato Mineiro em 1998 e da Copa dos Campeões Mineiros e da Copa Centro Oeste de 1999. Disputou 115 jogos e marcou 54 gols. O seu recorde de gols numa mesma edição do Campeonato Brasileiro com a camisa do Cruzeiro foi batido pelo meia Alex, em 2003, por um gol a mais.

Todos os jogos de Alex Alves pelo Cruzeiro

Jogo 1: 29/01/1998 - 5 x 3 Uberaba
Amistoso - Uberabão (Uberaba) - 2 gols
Jogo 2: 01/02/1998 - 0 x 0 Guarani
Campeonato Mineiro/1a fase - Mineirão
Jogo 3: 05/02/1998 - 7 x 1 Amapá-AP
Copa do Brasil/1ª fase - Zerão (Macapá, AP) - 3 gols
Jogo 4: 08/02/1998 - 5 x 1 Social
Campeonato Mineiro/1ª fase - Lamegão (Ipatinga) - 1 gol
Jogo 5: 15/02/1998 - 1 x 1 América
Campeonato Mineiro/1ª fase - Mineirão
Jogo 6: 21/02/1998 - 3 x 2 Valério
Campeonato Mineiro/1ª fase - Israel Pinheiro (Itabira) - 1 gol
Jogo 7: 01/03/1998 - 2 x 0 Ipiranga
Campeonato Mineiro/1ª fase - Mineirão
Jogo 8: 08/03/1998 - 2 x 1 Atlético
Campeonato Mineiro/1ª fase - Mineirão
Jogo 9: 12/03/1998 - 2 x 1 Montes Claros
Campeonato Mineiro/1ª fase - Indepemdência
Jogo 10: 15/03/1998 - 1 x 1 Democrata-GV
Campeonato Mineiro/2ª fase - Mamudão (Gov. Valadares)
Jogo 11: 18/03/1998 - 1 x 0 Nacional
Campeonato Mineiro/2ª fase - Mineirão - 1 gol
Jogo 12: 22/03/1998 - 0 x 1 Villa Nova
Campeonato Mineiro/2ª fase - Mineirão
Jogo 13: 26/03/1998 - 0 x 0 Caldense
Campeonato Mineiro/2ª fase - Mineirão
Jogo 14: 31/03/1998 - 3 x 1 Corinthians*
Copa do Brasil/Oitavas de final - Mineirão
Jogo 15: 08/04/1998 - 1 x 1 Democrata-GV*
Campeonato Mineiro/2ª fase - Lamegão (Ipatinga)
Jogo 16: 12/04/1998 - 1 x 0 Villa Nova
Campeonato Mineiro/2ª fase - Bonfim (Nova Lima)
Jogo 17: 15/04/1998 - 1 x 2 Vasco*
Taça Libertadores/Oitavas de final - São Januário
Jogo 18: 19/04/1998 - 1 x 1 Caldense*
Campeonato Mineiro - Ronaldão (Poços de Caldas)
Jogo 19: 29/04/1998 - 1 x 1 Social*
Campeonato Mineiro/Quartas de final - Independência - 1 gol
Jogo 20: 02/05/1998 - 0 x 0 Vasco
Taça Libertadores/Oitavas de final - Mineirão
Jogo 21: 05/05/1998 - 2 x 0 Vitória
Copa do Brasil/Quartas de final - Mineirão
Jogo 22: 10/05/1998 - 2 x 0 Social
Campeonato Mineiro/Quartas de final - Lamegão (Ipatinga) - 2 gols
Jogo 23: 14/05/1998 - 0 x 1 Vitória
Copa do Brasil/Quartas de final - Barradão
Jogo 24: 17/05/1998 - 2 x 0 Villa Nova
Campeonato Mineiro/semifinal - Bonfim (Nova Lima)
Jogo 25: 19/05/1998 - 2 x 0 Vasco*
Copa do Brasil/Semifinal - Mineirão
Jogo 26: 23/05/1998 - 0 x 0 Vasco*
Copa do Brasil/semifinal - São Januário
Jogo 27: 03/06/1998 - 0 x 0 Villa Nova*
Campeonato Mineiro/semifinal - Mineirão
Jogo 28: 07/06/1998 - 3 x 2 Atlético
Campeonato Mineiro/final - Mineirão
Jogo 29: 11/06/1998 - 0 x 0 Atlético*
Campeonato Mineiro - Mineirão
Jogo 30: 26/07/1998 - 1 x 1 Atlético*
Campeonato Brasileiro - Mineirão
Jogo 31: 29/07/1998 - 1 x 2 San Lorenzo (ARG)*
Copa Mercosul/1a fase - Nuevo Gasometro (Buenos Aires)
Jogo 32: 05/08/1998 - 4 x 2 Ponte Preta
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão - 1 gol
Jogo 33: 09/08/1998 - 2 x 0 São Paulo*
Campeonato Brasileiro/1a fase - Morumbi
Jogo 34: 12/08/1998 - 0 x 0 Goiás*
Campeonato Brasileiro/1a fase - Serra Dourada
Jogo 35: 16/08/1998 - 0 x 2 América-RN
Campeonato Brasileiro - Mineirão
Jogo 36: 20/08/1998 - 5 x 1 São Paulo*
Copa Mercosul/1a fase - Mineirão
Jogo 37: 09/09/1998 - 1 x 1 Flamengo*
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão
Jogo 38: 19/09/1998 - 4 x 0 Coritiba*
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão
Jogo 39: 27/09/1998 - 1 x 1 Sport Recife*
Campeonato Brasileiro - Ilha do Retiro
Jogo 40: 30/09/1998 - 1 x 1 São Paulo*
Copa Mercosul/1a fase - Morumbi
Jogo 41: 03/10/1998 - 4 x 1 América*
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão
Jogo 42: 07/10/1998 - 1 x 3 Internacional*
Campeonato Brasileiro/1a fase - Beira-Rio
Jogo 43: 11/10/1998 - 2 x 1 Paraná*
Campeonato Brasileiro/1a fase - Vila Capanema (Curitiba) - 1 gol
Jogo 44: 15/10/1998 - 5 x 0 Colo Colo (CHI)
Copa Mercosul/1a fase - Mineirão - 2 gols
Jogo 45: 17/10/1998 - 0 x 2 Grêmio
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão
Jogo 46: 24/10/1998 - 3 x 1 Palmeiras
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão - 2 gols
Jogo 47: 12/11/1998 - 5 x 0 Juventude*
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão - 1 gol
Jogo 48: 14/11/1998 - 2 x 1 Palmeiras*
Campeonato Brasileiro/quartas de final - Mineirão
Jogo 49: 19/11/1998 - 1 x 0 San Lorenzo (ARG)
Copa Mercosul/semifinal - Mineirão - 1 gol
Jogo 50: 22/11/1998 - 1 x 2 Palmeiras
Campeonato Brasileiro/quartas de final - Palestra Itália
Jogo 51: 26/11/1998 - 3 x 2 Palmeiras*
Campeonato Brasileiro/quartas de final - Palestra Itália
Jogo 52: 29/11/1998 - 3 x 1 Portuguesa*
Campeonato Brasileiro/semifinal - Mineirão - 1 gol
Jogo 53: 02/12/1998 - 1 x 1 San Lorenzo (ARG)
Copa Mercosul/semifinal - Nuevo Gasometro (Buenos Aires)
Jogo 54: 06/12/1998 - 1 x 2 Portuguesa*
Campeonato Brasileiro/semifinal - Canindé
Jogo 55: 09/12/1998 - 1 x 0 Portuguesa
Campeonato Brasileiro/semifinal - Canindé
Jogo 56: 16/12/1998 - 2 x 1 Palmeiras*
Copa Mercosul/final - Mineirão
Jogo 57: 23/12/1998 - 0 x 2 Corinthians*
Campeonato Brasileiro/final - Morumbi
Jogo 58: 26/12/1998 - 1 x 3 Palmeiras*
Copa Mercosul/final - Palestra Italia
Jogo 59: 29/12/1998 - 0 x 1 Palmeiras*
Copa Mercosul/final - Palestra Italia

Jogo 60: 03/03/1999 - 2 x 3 Caxias-RS*
Copa do Brasil/1a fase - Centenário (Caxias do Sul, RS)
Jogo 61: 07/03/1999 - 3 x 2 Atlético*
Copa dos Campeões Mineiros/1a fase - Mineirão - 1 gol
Jogo 62: 10/03/1999 - 5 x 0 Caxias-RS
Copa do Brasil/1a fase - Mineirão
Jogo 63: 14/03/1999 - 3 x 4 América
Copa dos Campeões Mineiros/1a fase - Mineirão
Jogo 64: 17/03/1999 - 1 x 1 Villa Nova
Copa dos Campeões Mineiros/1a fase - Lamegão (Ipatinga)
Jogo 65: 21/03/1999 - 2 x 0 América
Copa dos Campeões Mineiros/1a fase - Mineirão - 1 gol
Jogo 66: 24/03/1999 - 0 x 0 Atlético-PR
Copa do Brasil/2a fase - Couto Pereira (Curitiba)
Jogo 67: 28/03/1999 - 3 x 0 Atlético
Copa dos Campeões Mineiros/1a fase - Mineirão
Jogo 68: 31/03/1999 - 3 x 3 Atlético-PR
Copa do Brasil/2a fase - Mineirão - 1 gol
Jogo 69: 04/04/1999- 5 x 1 Atlético
Copa dos Campeões Mineiros/final - Mineirão - 1 gol
Jogo 70: 17/04/1999- 1 x 0 Valério
Campeonato Mineiro/2a fase - Mineirão
Jogo 71: 21/04/1999 - 4 x 0 Democrata-GV
Campeonato Mineiro/2a fase - Mineirão - 2 gols
Jogo 72: 24/04/1999- 2 x 2 Caldense
Campeonato Mineiro/2a fase - Ronaldão (Poços de Caldas)
Jogo 73: 28/04/1999 - 3 x 0 Vila Nova-GO
Copa Centro Oeste/final - Mineirão - 1 gol
Jogo 74: 01/05/1999- 0 x 0 Villa Nova
Campeonato Mineiro/2a fase - Bonfim (Nova Lima)
Jogo 75: 05/05/1999- 1 x 2 Vila Nova-GO
Copa Centro Oeste/final - Serra Dourada - 1 gol
Jogo 76: 29/05/1999 - 2 x 2 Villa Nova*
Campeonato Mineiro/2a fase - Mineirão
Jogo 77: 06/06/1999 - 3 x 0 Caldense*
Campeonato Mineiro/2a fase - Mineirão
Jogo 78: 10/06/1999 - 4 x 1 Democrata
Campeonato Mineiro/2a fase - Mamudão
Jogo 79: 13/06/1999 - 1 x 1 América*
Campeonato Mineiro/2a fase - Mineirão
Jogo 80: 20/06/1999 - 0 x 2 Atlético*
Campeonato Mineiro/2a fase - Mineirão
Jogo 81: 17/07/1999 - 0 x 2 Internacional
Amistoso - Lamegão (Ipatinga)
Jogo 82: 28/07/1999 - 4 x 1 Botafogo
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão - 2 gols
Jogo 83: 31/07/1999 - 0 x 0 Juventude
Campeonato Brasileiro/1a fase - Alfredo Jaconi (Caxias do Sul, RS)
Jogo 84: 03/08/1999 - 2 x 0 River Plate (ARG)
Copa Mercosul//1a fase - Recopa/final - Mineirão
Jogo 85: 08/08/1999 - 3 x 1 Internacional
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão - 2 gols
Jogo 86: 15/08/1999 - 2 x 2 Coritiba
Campeonato Brasileiro/1a fase - Couto Pereira - 1 gol
Jogo 87: 18/08/1999 - 2 x 1 São Paulo
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão - 1 gol
Jogo 88: 22/08/1999 - 3 x 1 Atlético-PR
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão - 1 gol
Jogo 89: 26/08/1999 - 2 x 2 Palmeiras
Copa Mercosul/1a fase - Palestra Itália
Jogo 90: 28/08/1999 - 3 x 2 Gama
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mané Garrincha (Brasília) -  2 gols
Jogo 91: 01/09/1999 - 2 x 0 Racing (ARG)
Copa Mercosul/1a fase - Mineirão
Jogo 92: 05/09/1999 - 2 x 2 Palmeiras
Campeonato Brasileiro/1a fase - Palestra Itália - 2 gols
Jogo 93: 08/09/1999 - 1 x 3 Corinthians
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão
Jogo 94: 15/09/1999 - 4 x 0 Racing (ARG)
Copa Mercosul/1a fase - El Cilindro (Avellaneda)
Jogo 95: 19/09/1999 - 1 x 0 Sport Recife
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão - 1 gol
Jogo 96: 23/09/1999 - 3 x 0 River Plate (ARG)
Copa Mercosul/1a fase - Recopa/final - Monumental de Nuñez (Buenos Aires)
Jogo 97: 25/09/1999 - 2 x 2 Ponte Preta
Campeonato Brasileiro/1a fase - Moisés Lucarelli (Campinas, SP)
Jogo 98: 29/09/1999 - 1 x 4 Vitória
Campeonato Brasileiro/1a fase - Barradão
Jogo 99: 03/10/1999 - 3 x 0 Atlético
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão - 2 gols
Jogo 100: 10/10/1999 - 1 x 1 Portuguesa
Campeonato Brasileiro/1a fase - Canindé
Jogo 101: 13/10/1999 - 1 x 3 Guarani
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão - 1 gol
Jogo 102: 17/10/1999 - 3 x 2 Grêmio
Campeonato Brasileiro/1a fase - Olímpico - 1 gol
Jogo 103: 03/11/1999 - 2 x 1 Vasco*
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão
Jogo 104: 07/11/1999 - 5 x 2 Paraná
Campeonato Brasileiro/1a fase - Mineirão - 4 gols
Jogo 105: 10/11/1999 - 3 x 3 Santos
Campeonato Brasileiro/1a fase - Vila Belmiro - 2 gols
Jogo 106: 14/11/1999 - 2 x 4 Atlético
Campeonato Brasileiro/quartas de final - Mineirão
Jogo 107: 21/11/1999 - 2 x 3 Atlético
Campeonato Brasileiro/quartas de final - Mineirão
Jogo 108: 28/11/1999 - 1 x 3 Guarani
Torneio Seletivo/oitavas de final - Brinco de Ouro (Campinas) - 1 gol
Jogo 109: 01/12/1999- 3 x 0 Guarani
Torneio Seletivo/oitavas de final - Mineirão
Jogo 110: 04/12/1999 - 1 x 3 Vasco
Torneio Seletivo/quartas de final - São Januário
Jogo 111: 08/12/1999 - 4 x 2 Vasco
Torneio Seletivo/quartas de final - Mineirão
Jogo 112: 11/12/1999 - 3 x 1 Vitória
Torneio Seletivo/semifinal - Mineirão - 1 gol
Jogo 113: 16/12/1999 - 2 x 1 Vitória
Torneio Seletivo/semifinal - Barradão
Jogo 114: 18/12/1999 - 0 x 3 Atlético-PR
Torneio Seletivo/final - Arena da Baixada
Jogo 115: 21/12 - 2 x 1 Atlético-PR
Torneio Seletivo/final - Mineirão - 2 gols

twitter: @henriqueribe
www.facebook.com.br/almanaquedocruzeiro

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

A trajetória dos cruzeirenses no Superclássico das Américas



Por Henrique Ribeiro

O meia argentino Montillo é mais um dos atletas do Cruzeiro que participa do Superclássico das Américas (a Copa Rocca), que foi criada em 1914, pelo presidente argentino, general Julio Rocca, para ser disputada entre as seleções do Brasil e da Argentina. Esta é a 13ª vez que o desafio ocorre. Os jogadores cruzeirenses participaram da disputa nas últimas quatro edições, sendo 6 pelo lado brasileiro e um pelo lado argentino.

Em 1971, o volante Piazza e o meia-atacante Tostão foram os primeiros cruzeirenses a participarem do duelo. Eles foram convocados pelo técnico Zagallo e foram titulares da Seleção Brasileira nas duas partidas que foram disputadas no estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires. A primeira, em 28 de julho de 1971, terminou empatada em 1 a 1. Com o gol marcado no jogo, Tostão foi o primeiro cruzeirense a balançar as redes no confronto pelo troféu. O segundo jogo, novamente, no Monumental de Nunez, em 31 de julho, terminou empatado em 1 a 1, no tempo normal. Na prorrogação, outro empate em 1 a 1. Conforme o regulamento, por ser o Brasil o time visitante, o troféu foi para o Rio de Janeiro.

A Copa Rocca voltou a ser disputada em 1976 e o treinador Oswaldo Brandão convocou três jogadores cruzeirenses: o atacante Palhinha, o lateral direito Nelinho e o ponta esquerda Joãozinho. O Brasil venceu a primeira partida por 2 a 1, no estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires, em 27 de fevereiro. Palhinha entrou durante a partida na vaga de Geraldo, do Flamengo. O Brasil voltou a vencer a Argentina no jogo da volta, no Maracanã, por 2 a 0, em 19 de maio. Apesar de convocados, Nelinho e Joãozinho não participaram do jogo. O Brasil sagrou-se campeão novamente. A Copa Roca de 1976 valeu, simultaneamente, pela Taça Atlântico, que teve as participações de Uruguai e Paraguai. O Brasil também venceu esta Taça.

No ano passado, o Superclássico voltou a ser disputado e, desta vez, em disputa da Taça Nicolaz Leoz, nome do presidente da Confederação Sulamericana de Futebol. Ao contário das outras ocasiões, o encontro não é reconhecido como da Seleção Brasileira principal, pela Confederação Brasileira de Futebol-CBF. Assim como o Brasil, a Argentina não escalou seu selecionado principal para o encontro.

No primeiro jogo em 14 de setembro, o meia Montillo, do Cruzeiro, foi convocado pelo técnico Alejandro Sabella, da Seleção Argentina e goleiro Fábio, pela Seleção Brasileira, mas ambos não entraram em campo no empate sem gols, no estádio Mario Kempes, em Córdoba. No jogo da volta, em 28 de setembro, no estádio Mangueirão, em Belém, o Brasil venceu por 2 a 0. Walter Montillo foi novamente convocado e foi titular da Argentina.

Este ano, o meia Walter Montillo foi novamente convocado para o Superclássico das Américas, pelo treinador Alejandro Sabella. A primeira partida, no Serra Dourada, em Goiânia, em 19 de setembro, terminou com a vitória brasileira por 2 a 1. Montillo não participou da partida.

O Brasil tem a hegemonia no desafio. Foi campeão sete vezes da Copa Rocca (1914, 1922, 1945, 1957, 1960, 1963 e 1976) e uma vez da Copa Nicolas Leoz (2011), enquanto a Argentina ficou com o título em três oportunidades (1923, 1939 e 1940).


Confira todos os resultados do desafio Brasil x Argentina:

I Copa Rocca
Brasil 1 x 0 Argentina, 27/09/1914, em Buenos Aires
II Copa Rocca
Brasil 2 x 1 Argentina, 23/10/1922, em São Paulo
III Copa Rocca
Brasil 0 x 2 Argentina, 09/12/1923, em Buenos Aires
IV Copa Rocca
Brasil 1 x 5 Argentina, 15/01/1939, no Rio de Janeiro
Brasil 3 x 2 Argentina, 22/01/1939, no Rio de Janeiro
Brasil 2 x 2 Argentina, 18/02/1940, em São Paulo
Brasil 0 x 3 Argentina, 25/02/1940, em São Paulo
V Copa Rocca
Brasil 1 x 6 Argentina, 05/03/1940, em Buenos Aires
Brasil 3 x 2 Argentina, 10/03/1940, em Buenos Aires
Brasil 1 x 5 Argentina, 17/03/1940, em Buenos Aires
VI Copa Rocca
Brasil 3 x 4 Argentina, 16/12/1945, em São Paulo
Brasil 6 x 2 Argentina, 20/12/1945, no Rio de Janeiro
Brasil 3 x 1 Argentina, 23/12/1945, no Rio de Janeiro
VII Copa Rocca
Brasil 1 x 2 Argentina, 07/07/1957, no Rio de Janeiro
Brasil 2 x 0 Argentina, 10/07/1957, em São Paulo
VIII Copa Rocca
Brasil 2 x 4 Argentina, 26/05/1960, em Buenos Aires
Brasil 4 x 1 Argentina, 29/05/1960, em Buenos Aires
*o Brasil venceu por 2 a 0, no tempo normal, e por 2 a 1, na prorrogação
IX Copa Rocca
Brasil 2 x 3 Argentina, 13/04/1963, em São Paulo
Brasil 5 x 2 Argentina, 16/04/1963, no Rio de Janeiro
*o Brasil venceu por 4 a 1, no tempo normal. Na prorrogação a partida terminou em 1 a 1.
X Copa Rocca
Brasil 1 x 1 Argentina, 28/07/1971, em Buenos Aires
Brasil 2 x 2 Argentina, 31/07/1971, em Buenos Aires
*empate no tempo normal em 1 a 1 e outro empate em 1 a 1 na prorrogação
XI Copa Rocca
Brasil 2 x 1 Argentina, 27/02/1976, em Buenos Aires
Brasil 2 x 0 Argentina, 19/05/1976, em Rio de Janeiro
*as partidas da disputa foram, também, válidas pela Copa do Atlântico.
I Copa Nicolaz Leoz
Argentina 0 x 0 Brasil, 14/09/2011, em Córdoba
Brasil 2 x 0 Argentina, 28/09/2011, em Belém
II Copa Nicolaz Leoz
Brasil 2 x 1 Argentina, 19/09/2012, em Goiânia

twitter: @henriquerieb
www.facebook.com.br/almanaquedocruzeiro

terça-feira, 2 de outubro de 2012

AGENDA HISTÓRICA

O volante Zé Carlos do Cruzeiro numa disputa de bola com o centro-avante Eneas
da Portuguesa, no Mineirão, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro em
7 de setembro de 1976

01/10/2005 - O Cruzeiro vence o Juventude por 2 a 0, pelo returno do Campeonato Brasileiro, no Independência. A partida foi disputada com os portões fechados em cumprimento a punição imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva-STJD, em 23 de setembro de 2005. Tudo por causa de um relógio supostamente atirado a beira do campo por um torcedor na partida contra o Fluminense, no Mineirão, em 07/09/2005. O auxiliar Paulo Freitas recolheu o objeto e o árbitro Elvécio Zequetto relatou na súmula. Foi a primeira punição deste tipo recebida pelo clube em toda a sua história.

02/10/1977 - o volante Zé Carlos disputa sua última partida com a camisa do Cruzeiro. Foi na vitória por 3 a 2 sobre o Atlético, no Mineirão, pela segunda partida da decisão do Campeonato Mineiro. Zé Carlos veio do Sport Juiz de Fora em 1966 e ao todo disputou 619 partidas e marcou 83 gols com a camisa estrelada. È o atleta com o maior número de jogos pelo Cruzeiro.

03/10/1971 - o goleiro Hélio defende uma cobrança de pênalti de Pelé no último minuto da partida entre Cruzeiro e Santos, no Mineirão, pelo Campeonato Brasileiro. Foi um dos poucos goleiros que realizaram essa proeza, já que Pelé era um dos melhores cobradores de faltas e de pênaltis do futebol mundial. No entanto, o Cruzeiro terminou derrotado por 1 a 0. A partida também ficou marcada pela grave contusão do atacante Evaldo que, numa dividida com o goleiro santista, Cejas, sofreu uma fratura exposta na perna, aos 21 minutos de jogo. A contusão abreviou a carreira do artilheiro cruzeirense.

04/10/1979 - a partida entre Cruzeiro e Goiás, pelo Campeonato Brasileiro, não chega ao seu final após uma briga generalizada entre os jogadores. O árbitro carioca Aluisio Felisberto Silva expulsou sete jogadores de cada lado e deu a partida por encerrada a partir dos 35 minutos do segundo tempo. O placar de 3 a 1 a favor do Goiás foi mantido. Tudo começou quando o árbitro assinalou um pênalti inexistente para o time goiano aos 16 minutos de jogo, que originou o gol de empate. No terceiro gol do Goiás, aos 35 do 2o tempo, Éber, do Goiás, agrediu o zagueiro Marquinhos, do Cruzeiro, em frente ao árbitro que nada fez. O lance revoltou os jogadores cruzeirenses que partiram pra briga. Foi a única vez que o Cruzeiro teve sete jogadores expulsos numa partida pelo Campeonato Brasileiro.

05/10/1969 - o Cruzeiro vence o Santos de virada, por 3 a 2, no Morumbi, pela primeira fase do Campeonato Brasileiro. Os santistas começaram vencendo com gols de Edu e Douglas e o Cruzeiro virou o placar com Zé Carlos, em cobrança de falta, e Dirceu Lopes, que marcou duas vezes. Pela terceira vez, o time estrelado reverte um placar desfavorável de 2 a 0 a favor do peixe. A primeira vez foi num amistoso, no Mineirão, em 29 de março de 1966, que terminou com o placar de 4 a 3 para o Cruzeiro. A outra foi na decisão do Campeonato Brasileiro de 1966, no Pacaembu, em 7 de dezembro de 1966, que terminou em 3 a 2 a favor do Cruzeiro.

06/10/1988 - o volante Ademir e o meia-atacante Careca são convocados pelo técnico Carlos Alberto Silva para o amistoso da Seleção Brasileira contra a Bélgica, em Antuérpia. O Brasil venceu por 2 a 0 e tanto Ademir, quanto Careca, atuaram na equipe titular.

07/10/1942 - uma assembléia geral define a mudança do nome Sociedade Esportiva Palestra Mineiro para Cruzeiro Esporte Clube. A nova nomenclatura foi sugerida pelo ex-presidente Oswaldo Pinto Coelho em homenagem ao maior símbolo da pátria brasileira. As cores deixaram de ser as da bandeira italiana - verde, vermelho e branco e passaram a ser azul e branca em homenagem a casa de savóia, residência oficial do rei da Italia.

twitter: @henriqueribe
www.facebook.com.br/almanaquedocruzeiro